Posts By: Giovanni Lanigra

SEUS OLHOS SE ABRIRAM

“E aconteceu que, quando estavam à mesa, tomando Ele o pão, abençoou-o e, tendo-o
partido, lhes deu; então, se lhes abriram os olhos, e O reconheceram; mas Ele desapareceu da presença deles.”- Lucas 24:30.31

Quão grande é o amor de nosso Deus! Deus conhece todos os nossos pensamentos e
sentimentos. O amor de Deus estava envolvendo os dois discípulos a caminho de
Emaús, perplexos com tudo que tinha acontecido uns dias antes. Andavam talvez
desolados, à procura de respostas.
Como eles, quando passamos por momentos atribulados, ficamos sem entender certas
atrocidades de pessoas insensíveis e maldosas. Talvez esses dois discípulos não
tivessem tido a oportunidade da proximidade de Jesus Cristo como os demais doze
tiveram; mas Deus sempre está tão próximo de cada um de Seus filhos. Basta que
prestemos atenção. Deus se manifestou a eles poderosamente. Seus olhos espirituais
foram abertos e os seus corações confortados.
Depois da ressurreição de Jesus Cristo não somente os doze teriam a oportunidade de
conviver bem próximos do Filho Unigênito de Deus que cumprira o Seu propósito de
ter se encarnado. Como encarnado, Jesus não podia estar junto com muitos ao mesmo
tempo, em toda parte do universo. Ressurreto, porém, Ele agora poderia estar com
todos e com cada um em particular em toda face da Terra. Suas aparições acontecem
até hoje, em diversas partes do mundo todo.
Cristo dentro de nós? Sim, essa é uma experiência fora das leis da Física e da Química.
Aqueles dois discípulos tiveram uma experiência sobrenatural: a presença divina,
consoladora, fortalecedora, ao ponto de seus corações arderem com o fogo do Espírito
Santo. Foram os primeiros a experimentarem a excelência do poder de Deus, este
tesouro nos próprios corpos físicos, como lemos:
“Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja
de Deus e não de nós.
Em tudo somos atribulados. porém não angustiados; perplexos, porém não
desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não
destruídos;
levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a Sua vida se manifeste
em nosso corpo.” (2 Coríntios 4:7-10)
Que os nossos olhos sejam abertos na presença palpável do nosso Deus Triuno e
vivamos o poder da ressurreição de Cristo Jesus, a cada passo, especialmente quando
as lutas quase querem nos destruir. Somos vitoriosos com Jesus Cristo. Nada temos a
temer. Nosso amor a Deus em primeiro lugar e acima de tudo: este é o segredo da
excelência em vasos de barro, que somos nós.

Dra. Sarah Hayashi


EIS O CORDEIRO DE DEUS

“… João viu Jesus, que vinha em sua direção, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o
pecado do mundo.” (João 1:29)
“Quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo
imaculado a Deus, purificará a vossa consciência das obras mortas, para servirdes ao
Deus vivo!
… recebam a promessa da herança eterna.” (Hebreus 9:14,15)

Para os hebreus os sacrifícios de animais para o perdão de seus pecados eram
muitíssimo importantes. O Pentateuco de Moisés versa na sua maior parte sobre esse
assunto de sacrifícios de vários tipos, principalmente os de animais, devido ao
derramamento de sangue. O sangue já apontava para o sangue do Cordeiro Jesus.
Por vários séculos, Deus preparava o sacrifício que daria fim ao de animais, através da
vida, morte e ressurreição de Seu Filho Jesus Cristo. Através de Moisés, Deus preparou
a humanidade para entender que somente o Cordeiro Jesus Cristo teria o poder e
autoridade para cancelar o pecado ao cumprir a Lei. Somente Jesus Cristo poderia
resolver a questão da vida espiritual e da herança eterna perdidas no jardim do Éden,
quando Eva e Adão comeram da árvore proibida e desobedeceram a Deus.
Quanto mais entendermos o sentido do sacrifício de Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus,
menos pecaremos e mais obedeceremos aos mandamentos encontrados na Palavra de
Deus, a Bíblia. Quanto mais revelação do sacrifício de Cristo na cruz do Calvário, mais O
adoraremos e O serviremos de todo coração.
O pecado iniciado no jardim do Éden não cancelou a consciência. A consciência faz
parte do nosso livre arbítrio. A consciência nos capacita a tomar decisões, quer certas
quer erradas. Todas as pessoas já nascem com a capacidade de pensar, de aprender,
de sentir e de decidir. Sem a purificação pelo sangue de Jesus Cristo, a consciência
produz obras mortas.
O sangue de Jesus Cristo tem o poder para nos purificar de todo pecado. A nós cabe o
arrependimento e confissão ao sermos convencidos pelo Espírito Santo. É uma bênção
muito grande o sermos incomodados pelo Espírito Santo quando ofendemos a Deus.
Infelizmente, muitos cristãos confundem o incômodo, causado pelo Espírito Santo,
com a condenação. O sentimento de culpa é necessário para nos conduzir ao
arrependimento. O errado é condenar-se, como o fez Judas, o traidor. O certo é sentir
a dor do pecado, humilhar-se perante Deus com arrependimento, como o fez Pedro
após negar a Cristo. Sejamos sensíveis ao toque do Espírito Santo para não O
entristecermos e, muito menos, O apagarmos.

Dra. Sarah Hayashi


A VOZ DO ESPÍRITO SANTO

“Seja a paz de Cristo o árbitro em vossos corações, à qual, também, fostes chamados em um só corpo. …” – Colossenses 3:15

Estar bem consigo mesmo, em harmonia da alma, é uma das grandes bênçãos que temos da parte de Deus. Andar sendo aprovados por Deus gera tranquilidade e sossego que, por sua vez, contagiam os relacionamentos e o ambiente com a paz de Cristo.

O terceiro capítulo da carta de Paulo aos colossenses gira em torno do andar de uma pessoa que está em Cristo Jesus e cuja mente está colocada acima das circunstâncias deste mundo caído em que vivemos.

Temos muitas decisões a tomar, seja na área de relacionamentos, seja nas atividades que envolvem profissão. Desde o levantar do sol até o anoitecer, temos tantas decisões a tomar. Há certas decisões simples que não requerem muito pensar, mas há decisões sérias que ditam o nosso destino. Quaisquer que sejam as decisões … temos agradado a Deus? Temos entristecido ao Espírito Santo? Temos apagado o Espírito Santo dentro do nosso coração?

Quanto mais conhecemos a Deus, mais sensíveis nos tornamos ao Espírito Santo. A sensibilidade ao Espírito de Deus é um aferidor de nosso crescimento em Cristo Jesus.

No meio da família cristã, geralmente gostamos de medir o nosso amadurecimento espiritual. De que maneira? Através do fato de buscarmos andar com pessoas que venham acrescentar e nos impulsionar a desejar ouvir mais de Deus.

A paz se torna um árbitro nas decisões ou nos sentimentos quando lhe damos permissão. Podemos dar atenção, ou não, ao sussurro da brisa do Espírito Santo.

O profeta Elias aprendeu em etapas (1 Reis 19). Com um coração sincero, ele buscava ouvir a voz de Deus. Passou um vento grande e forte ao ponto de partir as rochas e quebrava as penhas, depois terremotos e fogo … mas Deus não estava falando através disso tudo. Ele, enfim, aprendeu a ouvir a voz de Deus de modo muito delicado. Elias ganhou a sensibilidade ao sussurro.

Assim como Deus treinou a sensibilidade no profeta Elias, também procura entre nós corações que O escutem e aprendam que a paz de Cristo realmente é a voz mais fina e delicada que pode nos mover conforme o Seu coração.

Dra. Sarah Hayashi


A PAZ DE DEUS

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou: não vo-la dou como o mundo a dá.”- João 14:27

“E a paz de Deus, que excede todo entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.”- Filipenses 4:7

Conforme as palavras de Jesus Cristo, existe um tipo de paz no mundo decaído e sujeito à corrupção constante. Que tipo de paz seria essa do mundo? Com certeza não é igual à de Deus. Como é que o mundo pode oferecer paz se o príncipe deste mundo é o diabo? Aqui não se refere ao planeta, mas ao sistema espiritual.

Jesus Cristo enfatiza o Seu tipo de paz: a que excede todo entendimento. A lógica não consegue explicar essa paz de Deus.

Houve uma vez um concurso de pintores e o tema era PAZ. O artista que mais representasse a paz seria o vencedor. Muitos quadros foram apresentados cujas temáticas eram lugares lindos, floridos, céus azuis, pessoas alegres, etc.

O ganhador desse concurso pintara um ninho e a mãe colocando comida nos bicos de seus filhotes. Esse ninho estava numa árvore grande e debaixo dela passava uma correnteza frenética, arrastando toras de madeira, galhos grandes arrancados de árvores, pedaços de casas, coisas destruídas, água barrenta e tudo que se pode imaginar de caos.

A paz verdadeira é provada não em momentos de tranquilidade externa, mas dentro do espírito, com a mente equilibrada, alegria calada, segurança interior, no meio de grandes turbilhões, aflições e crises em situações desesperadoras.

“Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti.” (Isaías 26:3)

A paz verdadeira, isto é, de Deus, é resultado de num relacionamento seguro com Deus. Quando a nossa mente está firme n’Ele e cremos na essência de Deus fiel e bondoso e nas Suas promessas, nada consegue nos abalar.

Falar é fácil, mas vivenciar essa paz requer de cada cristão um andar constante e perseverante, independente se as circunstâncias sejam ásperas, avassaladoras e amedrontadoras. Deus está acima de todo e qualquer problema. Nada é difícil para Ele. Deus sempre tem uma solução que ultrapassa o nosso entendimento.

Cada vez que vencemos as turbulências da vida através da fé em Deus e na Sua Palavra, mais a paz de Deus nos faz inabaláveis. Isso glorifica ao nosso Deus! (S.H.)

Dra. Sarah Hayashi


NÃO ESTEJAIS ANSIOSOS

“Não estejais ansiosos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ações de graças. E a paz de Deus … ” (Filipenses 4:6)

Uma das fraquezas da natureza humana é a ansiedade. Uns são mais ansiosos do que outros, mas todos têm uma certa medida de ansiedade, que é uma herança adquirida desde Adão, o primeiro homem formado à imagem de Deus. Quando ele pecou, a sua natureza se tornou imperfeita, gerando variados defeitos, de geração a geração.

A insegurança, que resultou da desobediência à ordem de Deus, faz o ser humano agir com base nos seus instintos: sobrevivência, sexualidade, sono e fome e sede. Os instintos, em si, não são maus, mas dependem de escolhas e decisões, sábias ou insensatas, de cada pessoa.

No plano de Deus, seriam instintos somente para prazer e alegria, através da frutificação e multiplicação; porém, cada pessoa é responsável pela maneira e tempo em que agem. O instinto de sobrevivência tem o seu lado positivo, fazendo que cada pessoa se proteja, mas torna-se negativo quando é ativado de modo errado em hora errada.

Quando não temos um relacionamento alinhado com os pensamentos e caminhos de Deus, a ansiedade cresce e nos prejudica de várias maneiras, o que nos atormenta. Por vezes, causa insegurança, medo, inveja, competitividade, orgulho, vaidade, melancolia e outros sentimentos prejudiciais, que roubam a alegria de viver a vida abundante que Jesus Cristo conquistou no Calvário.

O único caminho para a verdadeira vida feliz é, indubitavelmente, vir para Jesus Cristo e tê-Lo como Salvador e Senhor. Nada neste mundo tem poder para corrigir a nossa natureza humana e carnal, a não ser Jesus Cristo que pagou um alto preço para remover a maldição dos resultados do pecado de Adão. Somos da semente de Adão.

Uma pessoa pode adquirir muitos recursos e meios para a sua sobrevivência e conquistar uma vida razoavelmente boa, porém nada supera a presença de Deus que vem da cruz do Calvário, onde Jesus Cristo deu a Sua vida para nos salvar de todas as nossas mazelas e inquietações.

Deus nos convida a apresentar-Lhe todas as nossas ansiedades, pedidos, súplicas e argumentos. É um coração humilde e confiante que alcança o bem da parte de Deus Pai. Devemos crescer no relacionamento de filho-pai com Ele. A fé e a segurança são progressivas e crescentes. Que tal começar? Se já começou, que tal prosseguir nesse relacionamento?

Dra. Sarah Hayashi 


TESTEMUNHO – Afonso Correa

Estava jantando com um amigo em um restaurante. No fim do jantar comecei a ter uma crise alérgica devido ao alimento que consumi. Minha pele começou a apresentar manchas vermelhas acompanhadas de muitas coceiras. Quando constatamos o que estava acontecendo, começamos a orar declarando cura e que toda alergia fosse embora pelo nome de Jesus. No mesmo instante já havia apresentado 50% de melhora. Chegando em casa, constatei que não havia mais manchas ou vermelhidão. Fui totalmente curado!

Compartilhe o que Deus está fazendo em sua vida! Envie seu testemunho para contato@mtsiao.com.br